Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

15/05/2009

Nem todos os obamas de Obama fazem felizes os obamófilos: episódio (29) Eu não sou o eu, nem sou o outro

Em breve Obama terá que substituir o demissionário juiz Souter do Supremo Tribunal. Qual será a política do presidente Obama a este respeito? Defenderá o activismo judicial, atribuindo aos juízes o papel de corrigir a sociedade, ou, pelo contrário, defenderá que a justiça é igual para todos e o papel dos juízes é aplicá-la? Lendo os seus discursos durante a campanha, ficamos a saber que escolherá alguém:


  • «who understands that justice isn’t about some abstract legal theory or footnote in a casebook. It is also about how our laws affect the daily realities of people’s lives.»

    Mas também pode ser alguém

  • «who is dedicated to the rule of law, who honours our constitutional traditions… and the appropriate limits of the judicial role».
Foi então que recordei o poema de Mário de Sá Carneiro:
Eu não sou o eu, nem sou o outro
Sou qualquer coisa de intermédio
Pilar da ponte de tédio
Que vai de mim para o outro

Sem comentários: