Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

18/06/2005

SERVIÇO PÚBLICO: o rigor centesimal tem 6 dígitos

Porque se consideram entre nós gargantuélicos os défices gémeos dos EU (orçamento e balança comercial), que rondam perigosamente os 10%, mas, salvo o bando liberal, ninguém parece verdadeiramente preocupado com os nossos mais de 16% (mais de 6% no orçamento e mais de 10% na balança comercial)?

Talvez a razão seja a mesma de poucos acharem estranho que o rigor centesimal dos exercícios prospectivos as if do doutor Victor Constâncio lhe rendam quase o dobro (273 mil) do que rende o elaborado mumble jumble do seu homólogo Alan Greenspan, presidente da Reserva Federal americana, que não amealha mais do que uns míseros 146 mil euros por ano. (ver O Independente de ontem)

Homólogo é uma maneira simpática para o doutor Constâncio de dizer que a responsabilidade mais pesada do banco central (fixação das taxas de juro - o preço do dinheiro) foi no caso português transferida para o Banco Central Europeu com a adopção do euro.

Sem comentários: