Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/06/2005

CASE STUDY: advirto que o governo faz mal à saúde da economia

Agora que o governo implora à comissão Europeia protecção contra o perigo do leste e o perigo amarelo, depois dos seus antecessores se terem apavorado com a ameaça castelhana, talvez valha a pena lembrar os malefícios da interferência do governo na economia e os benefícios da sua ausência, deixando a concorrência estimular a eficiência das empresas cronicamente anémica.

Um dos sectores que mais evoluiu, depois de mais de 10 anos abafado debaixo das asas do estado napoleónico-estalinista, foi a banca, particularmente a banca de retalho, que o estudo «Making Portugal competitive» da McKensey estima ter reduzido entre 1998 e 2001 o gap de produtividade com a Europa de 43% para 11%.

Lembrei-me disto ao ver este gráfico que nos coloca num lugar inabitual nas comparações internacionais e nos dá um exemplo de falta de resignação com a mediocridade.

Sem comentários: