Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

30/06/2005

SERVIÇO PÚBLICO: Luís XVI, um líder europeu avant la lettre

The Economist, provavelmente a melhor revista no mundo da economia, finanças, etc., recordou aqui que Luís XVI escreveu «Rien» no seu blogue em 14 de Julho de 1789, dia da tomada da Bastilha pelos sans-cullotes, e primeira manifestação visível do jacobinismo como doutrina totalitária e prática terrorista.

Muito apropriadamente, o Economist criou um prémio a que deu o nome de Luís XVI «para ser atribuído ao líder europeu mais fora da realidade». O primeiro vencedor foi justamente o presidente do Conselho Europeu ainda em exercício Jean-Claude Juncker.

[Fica aqui lavrado o protesto impertinente pelo roubo criativo virtual e antecipado de uma ideia que haveria de sair do meu bestunto, só não se sabia quando. Teria sido um belo prémio a juntar aos bourbons e aos outros, para premiar na Avaliação Contínua o lunatismo.]

Esta é parte divertida da coisa. A parte menos divertida é o profundo descrédito de Juncker e de muitos outros líderes europeus pela recusa de enfrentar a realidade. Descrédito que, na pior hipótese, poderá conduzir ao colapso das instituições europeias e, na melhor, retira legitimidade a essas instituições convertendo as decisões do conselho ou da comissão europeia em meros delírios que os governos nacionais ignorarão com o aplauso dos respectivos eleitores. O Pacto de Estabilidade e Crescimento dá-nos o primeiro exemplo.

Luís XVI antes de perder a cabeça

CORRECÇÃO: o blogue de Luís XVI, à época chamado diário, estava offline.

Sem comentários: