Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

21/06/2005

SERVIÇO PÚBLICO: eu sabia que mais tarde ou mais cedo alguém iria explicar

Para dar um ar erudito aos devaneios, o Impertinências tem citado os estudos do antropólogo Geert Hofstede inúmeras vezes, desde o passado longínquo até ao passado recente.

Hofstede foi citado quase sempre a propósito da combinação perversa de colectivismo, feminilidade, aversão ao risco e distância hierárquica que caracterizam a cultura dominante na sociedade portuguesa e, possivelmente, estão na génese do capitalismo luso, timorato e dependente, e de várias de outras malformações, como a mediocridade das nossas elites ou o rastejar mendicante da nossa intelectualidade.

Nunca me dei ao trabalho de explicar o modelo de Hofstede e o mais longe que fui, ficou-se pela superfície. Eu sabia que isto estava escrito em qualquer sítio (*), e mais tarde ou mais cedo alguém (o doutor João Gata da Universidade de Aveiro) haveria de o publicar nalgum sítio (pág. 55 do Semanário Económico de 17-06).

(*) Antecipando-me à reclamação dos direitos de autor, é melhor confessar já que o sítio onde isto costuma estar escrito é o sítio bomba inteligente,.

Sem comentários: