Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/06/2005

AVALIAÇÃO CONTÍNUA: doutor Coelho, estradista

Secção Musgo Viscoso
Na fase de apodrecimento final do consolado do engenheiro Guterres, o doutor Mário Soares, do alto da sua autoridade de fundador, disse que «ao PS fará bem uma cura de oposição ... para livrar-se de um certo oportunismo interesseiro e negocista que o atacou, como musgo viscoso». Como se viu agora estava enganado. Será preciso muito mais do que uma cura de oposição.

Talvez o mais proeminente dos protagonistas do musgo viscoso seja o doutor Jorge Coelho, cujo preenchido curriculum vitae foi evocado pelo Independente de 6ª feira passada. CV que vale, como prémio de carreira, 3 bem merecidos ignóbeis.

Mas a maior homenagem ao doutor Coelho é o título de estradista atribuído pela primeira vez aqui no Impertinências.

Estradista
Um político que substitui visão política, capacidade de liderança e outros atributos geralmente associados a um estadista, pela quilometragem nas campanhas eleitorais em que participa e pelo pastoreio das ovelhas do partido.

Sem comentários: