Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

16/06/2004

TRIVIALIDADES: Portugal 0 - Rússia 10.

Dentro de duas horas defrontar-se-ão as selecções portuguesa e russa. Pelo que se viu até agora, o desfecho pode muito bem inclinar-se para a Rússia. A menos que os rapazes consigam aplicar apropriadamente a única arma de destruição maciça de que dispõem - o desenrascanço. É uma arma intensamente aleatória que com facildade se dispara nos pés, como a história abundantemente demonstra. É o que nos resta, na falta dum apoio maternal mais intenso e do António Oliveira com os seus alhos e crucifixos.

Se perdermos contra a Rússia em futebol não nos preocupemos. Muito mais importante e com consequências muito mais dramáticas para as próximas gerações são os 10 a 0 que eles nos dão, todos os anos, no campeonato do ensino. E quem é que se rala com isso?

[Ver a entrada desenrascanço na imperdível Wikipedia - The Free Encyclopedia]

Sem comentários: