Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/06/2004

DIÁRIO DE BORDO: Depois do rectângulo de Alvalade, o rectângulo da Luz.

aqui evoquei a importância do quadrado para afastar a ameaça castelhana no século XIV. Para vencer o inimigo, contámos então com o génio táctico do Scolari da época (não se pode falar propriamente de génio, no caso do Scolari contemporâneo) e com a preciosa ajuda dos arqueiros ingleses, nossos aliados.

Como acontece frequentemente no mundo real, também na realidade virtual do futebol, os aliados de ontem podem ser os inimigos de hoje. Vencida a batalha de Alvalade, temos hoje a batalha da Luz. Será mais um passo no caminho da reconquista da auto-estima e, em consequência, no início duma retoma sustentada.

Deixem-se de tretas. Ganhar ou perder este jogo é igual ao litro, quer para a auto-estima, quer para a retoma. Em relação à primeira, já aqui escrevi que o problema dos portugueses não é a falta, é o excesso. Em relação à segunda, para sermos rigorosos, deveríamos concluir que a eliminação, tornando-nos disponíveis para recomeçar a trabalhar, apressaria a retoma,

O que está em causa é APENAS futebol. E daí? E daí, VAMOS A ELES, antes que eles venham a nós. PERDER, NEM A FEIJÕES.

Sem comentários: