Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/06/2004

ESTÓRIA E MORAL: O Dez de Junho e eu.

Estória

Ano após ano, espero ansiosamente até às vésperas do Dia da Pátria a chegada dum telefonema, duma carta, enfim, dum sinal vindo da Casa Civil da Presidência da República. E nada.

Este ano, uma vez mais, nada.

E porquê? Sim, porquê? Percebo que nunca me tenha saído senão uma ou duas aproximações na lotaria. Conformo-me que nem um cêntimo me tenha pago o totobola ou o totoloto. Mas uma comendazita, uma condecoraçãozita, ao menos uma fita para pendurar, não seria normal esperar?

Mais um ano e dezenas, ou centenas, de novos comendadores e condes corados do O'Neill, e eu nada. Quantos portugueses ainda não foram prendados no dia da Pátria? Alguns, muito poucos. E os que ainda não o foram sabem que o serão, só não sabem quando.

Não é o meu caso. Pertenço definitivamente a uma espécie em vias de extinção - a dos portugueses que ainda não foram condecorados, e a uma outra espécie rara - a dos portugueses que perderam a esperança de ser condecorados no 10 de Junho.

Moral

A moral? Qual moral? Não há moral nenhuma nisto. Há coisa mais imoral?

Sem comentários: