Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/08/2020

Crónica da asfixia da sociedade civil pela Passarola de Costa (45) - Em tempo de vírus (XXII)

Avarias da geringonça e do país seguidas de asfixias

Quem se mete com o PS, leva

Tendo que escolher entre um juiz conhecido da ministra e a juíza primeira classificada no concurso para procurador europeu por um júri internacional, a ministra escolheu o juiz conhecido. Há quem diga que é nepotismo. Errado! Não é nepotismo, desde logo porque o escolhido não é sobrinho da ministra e, além disso, queriam que a ministra escolhesse uma juíza que dirigiu o caso das golas inflamáveis anti-fumo que levou à demissão do secretário de Estado da Protecção Civil?

Correndo bem, é nossa realização. Correndo mal é problema deles

Seguindo o esquema habitual, o Novo Banco vendeu a sociedades-fantoche, a quem concedeu crédito para a compra, detidas por um fundo controlado pelo Lone Star, 5.552 imóveis e 8.719 fracções abaixo dos preços de mercado com uma perda de 42% equivalente a 260 milhões de euros. O Fundo de Resolução autorizou a operação, o BdP é o supervisor, agora com o novo governador que era o ministro das Finanças, ninguém sabia de nada, e o governo a começar pelo Dr. Costa sacode a água do capote. Como costume.

Mestres do ilusionismo

Um pouco por todo o mundo antecipam-se os danos que o fecho das escolas em metade do ano lectivo causam aos estudantes. Comprovando a excelência do ensino superiormente dirigido pelo ministro da Educação e a Fenprof, em Portugal não há danos, pelo contrário. As médias das notas dos exames nacionais do 12.º ano aumentaram em todos as disciplinas, com apenas duas excepções, nalguns casos três valores. Bem diz S. Ex.ª que os portugueses são os melhores dos melhores.

«Queda monumental»

Sobre a economia há notícias boas e notícias más. Em relação ao turismo a notícia boa é que melhorou em Junho. A má é que a melhoria foi uma queda de 85,1% em vez dos 95,3% de Maio.

As insolvências aumentaram 32% em Julho e a criação de novas empresas diminui 25,9% (fonte).

Em relação ao emprego também há notícias boas e notícias más. A notícia boa é que a taxa de desemprego diminuiu de 6,7% no primeiro trimestre para 5,6% no segundo trimestre. As notícias más são: (1) isso deve-se a só se considerarem desempregados os procuram activamente emprego que são cada vez menos; (2) a população inactiva aumentou 5,7% em relação ao trimestre anterior e 7,5% em relação a 2019; (3) o emprego diminuiu 2,8% e as horas trabalhadas 22,7%.

Quanto às exportações há a boa notícia do abrandamento da queda em Junho para 10%. A má notícia é que no primeiro semestre as exportações caíram 17%.

Contudo, essas más notícias respeitam ao passado sobre o qual não há nada a fazer, a não ser tentar repeti-lo como comédia. A verdadeira má notícia diz respeito ao futuro e é o cofinanciamento a 100% previsto no Plano de Recuperação e Resiliência onde serão torrados 13 mil milhões de euros. Como se perguntava há dias o jornalista Paulo Ferreira, «Há dinheiro e plano. O que pode correr mal? Quase tudo, como sempre».

Cuidando da freguesia eleitoral

Quem não entenda o desvelo que o PS revela pelos funcionários públicos não deve saber que a maioria dos militantes é utente da vaca marsupial pública e tem mais de 50 anos.

«Estamos preparados»

O número de óbitos em Julho foi 26% mais elevado do que no mesmo mês de 2019, mas apenas 1,5 pp são atribuíveis à pandemia. A explicação mais plausível é que o excesso de mortalidade se deve à inoperância dos centros de saúde que não atendem os telefones, aos três milhões de consultas que não se fizeram, às cem mil cirurgias adiadas e à concentração de todos recursos nos casos de pandemia que nunca ocuparam mais do que uma fracção das camas e das UCI. A DGS atribuiu o excesso de óbitos às temperaturas elevadas que segundo índice Alerta Ícaro apenas terão ocorrido num dos dias de Julho (fonte).

A linha SNS24 que não publica dados desde 9 de Março, continua a falhar, não são atendida pessoas com sintomas e são dada orientações erradas.

Entretanto, os dados dos doentes com Covid-10 distribuídos à comunidade científica pela DGS incluíram homens grávidos, não identificaram doenças prévias e permitiam identificar a esmagadora maioria dos mortos. Homens grávidos? E porque não se já temos 112 géneros?

Anunciada sucessivamente para Maio, Junho e Julho, a aplicação Stayaway de rastreio à pandemia está a agora prevista para a Agosto. Quem sabe se quando finalmente estiver pronta já estará ultrapassada como o sistema de controlo de velocidade da rede ferroviária.

Estatísticas de causas ou como virar a página da pandemia

A DGS decidiu deixar de analisar todos os casos em que houve contacto com uma pessoa infectada e passar a fazê-lo apenas nas situações de surto com o propósito de reduzir número de novas infecções detectadas para dar uma imagem «menos catastrofista» e poupar testes para o inverno.

Boa Nova

Foi agora aprovado pela CE o banco de fomento que em Junho foi anunciado para as «próximas semanas», sucedendo a um banco de fomento que fora privatizado por um governo PS, tinha ressuscitado há três anos e segundo o mesmo ministro já estava criado em Janeiro. Ainda falta a aprovação do BdP mas como já lá está o anterior ministro das Finanças não será um problema. Problema será o novo banco (não confundir com o Novo Banco) cumprir o seu propósito de «supressão das falhas de mercado na concessão de crédito e nos mercados de capitais», o que dada a ausência de uma coisa classificável como um mercado parece uma missão impossível.

Ineficiente, sempre. Ineficaz quando possível

Depois de 27 (vinte e sete) anos para instalar um sistema de controlo de velocidade em menos de 2/3 da rede ferroviária, a Infraestruturas de Portugal concluiu que o sistema está ultrapassado, de onde teria sido preferível não o ter instalado e anunciá-lo apenas como sabiamente o governo do Dr. Costa costuma fazer.

«Pagar a dívida é ideia de criança»

Sobre a dívida também temos notícias boas e notícias más. As notícias boas são só uma: a dívida pública bruta baixou 4,6 mil milhões de euros em Junho, o que dá um belo título.

Negócios

As notícias más são duas: (1) a dívida pública líquida aumentou 3,6 mil milhões e até 30 de Junho já foi emitida praticamente toda a dívida orçamentada para o ano.

Sem comentários: