Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/08/2020

Crónica da asfixia da sociedade civil pela Passarola de Costa (44) - Em tempo de vírus (XXI)

Avarias da geringonça e do país seguidas de asfixias

Boa Nova

Mostrando-se putativos sucessores à altura do putativo sucedido, o Dr. Pedro Nuno Santos e o Dr. Medina desmultiplicam-se em anúncios concorrentes sobre a maná de habitações de que os cidadãos em geral e os alfacinhas em particular vão poder dispor. O Dr. Pedro Nuno Santos, que só tem dinheiro para comprar carruagens para a CP na sucata dos espanhóis, vai neste momento à frente com o anúncio de 18.660 casas a incluir no Programa de Arrendamento Acessível, onde diz que vai gastar 2.300 mil milhões de euros. O Dr. Medina que tem o handicap de ainda só ser presidente de câmara anunciou 1.507 habitações no Programa Renda Acessível (não confundir com o Programa de Arrendamento Acessível) onde se propõe gastar 402 milhões. Registe-se que o Dr. Medina com os seus pouco mais de meio milhão de súbditos está à frente em termos relativos do Dr. Santos com os seus 10 milhões de súbditos.

O choque da realidade com a Boa Nova

No confronto com a realidade a disputa é igualmente intensa. O Dr. Santos ao fim de um ano e meio do seu programa pessoal parece que conseguiu duzentos e quarenta e dois contratos. Quanto ao Dr. Medina, para citar o antigo presidente do IHRU que escreveu em Fevereiro, «prometeu 6000 casas de renda acessível, mas não produziu uma única. Foi ao baú de velharias e até usa os tarecos do Dr Salazar para mostrar 120 casas como se fossem uma obra inovadora». Graças ao Dr. Salazar, o Dr. Medina que não quer ceder um palmo ao seu concorrente, foi a correr e anunciou em Março o primeiro sorteio de 120 habitações e «lançou a primeira pedra do primeiro lote de 128 fogos a preços acessíveis, de um total de cinco, na Avenida das Forças Armadas, orçado em 14 milhões de euros» (fonte). Perguntareis: e a última pedra ainda virá a tempo do Dr. Medina se sentar na cadeira do Dr. Costa? É irrelevante, meus caros. Aliás, até será preferível que a última pedra se atrase porque o Dr. Medina, como o seu mestre, poderá anunciar várias vezes a obra ao pelotão de obedientes apparatchiks travestidos de jornalistas que se encarregarão da propagar a boa nova às multidões de basbaques.

Perguntareis também: e poderia ser diferente? Poder, podia, mas não seria o Portugal dos Pequeninos governado por esta gente.

Correndo bem, é nossa realização. Correndo mal é problema deles

Sabeis que o Lone Star já em Março de 2017, quando negociava com o governo socialista a compra do Novo Banco, estava a ser investigado em vários países pela venda de activos de bancos em que participava (há uma notícia do jornal Sol dessa época)? Lembram-se do Dr. Costa ladeado pelo Dr. Centeno numa conferência de imprensa a anunciar a excelência do acordo com o fundo Lone Star para a compra do Novo Banco? Não? Não se penalizem porque a memória do povo é curta e a falta de vergonha do governo é grande. Três anos depois a mesma gente rasga as vestes de indignação e põe a lavandaria socialista a funcionar no Novo Banco como se o Dr. Costa e o Dr. Centeno não tivessem nada a ver com o assunto.

Perguntareis: não tem o Dr. Costa um pingo de vergonha na cara? Não, não tem. E podeis insistir: e os jornalistas de causas e a comentadoria do regime não deveriam mostrar as responsabilidades do governo? Deveriam, mas se o fizessem não seriam de causas e do regime, respectivamente


Talvez a ministra quisesse dizer estamos tão preparados para o pandemia como para o resto. O certo que os centros de saúde não atendem os telefones, houve três milhões de consultas que não se fizeram (a ministra diz que foi um milhão). E qual foi o resultado de todos recursos se concentrarem em tratar os casos de pandemia que nunca ocuparam mais do que uma fracção das camas e das UCI?


A consequência, como mostra o diagrama publicado pelo Blasfémias é que o excesso de mortalidade em relação à média (zona a vermelho) é muito maior do que a mortalidade atribuída à pandemia (zona amarela), sendo que esta última inclui não só os óbitos "por Covid" como os casos de óbito "com Covid". Dito de outra maneira, a pandemia matou cerca 1.700 pessoas e a governo cerca de 5 mil, so far.

Arte independente é a arte que depende do Estado Sucial

O mesmo Estado Sucial que deixou furtar ou perdeu 170 obras e anda a pedinchar dinheiro pelas capitais da Óropa acaba de gastar meio milhão de euros para comprar 65 obras.

O PS como barriga de aluguer de causas fracturantes

O mesmo governo responsável por negligência pela morte de mais de uma centena de pessoas por incêndio há 3 anos, reconhece agora que «não estava a fazer o melhor que poderia fazer» num incêndio a semana passada em que morreram alguns cães e gatos e decide passar os animais de companhia para a tutela do Ambiente, para deixar feliz o PAN, não vá dar-se o caso de ainda precisarem do seu voto.

«Queda monumental»

O INE acabou de divulgar a queda monumental de 16,5% do PIB no 2.º trimestre. Em consequência a receita fiscal sofreu um trambolhão de 2,8 mil milhões até Junho, principalmente pela queda do IVA, e o défice subiu para 6,8 mil milhões. Apreciai o enorme sentido de oportunidade do Dr. Centeno na saída para a sua merecida tença no BdP mostrando, por outra via, que também é  merecido o epíteto de Ronaldo das Finanças.

Quanto ao desemprego subiu apenas 1,1% em Junho. Qual o milagre? O lay-off simplificado que adiou os despedimentos e os critérios estatísticos. O certo que o número de empregos em Junho face a Fevereiro diminuiu cerca de 181 mil ou, para usar a fórmula do Jornal de Notícias, «Covid fez desaparecer metade dos empregos criados por Costa». Perguntareis: o Dr. Costa criou 362 mil empregos? Claro que não. O Dr. Costa criou 39,4 mil empregos para a sua freguesia eleitoral e as medidas de resposta à pandemia fizeram desaparecer 181 mil empregos nos sectores que sustentam o Estado Sucial que dá emprego à freguesia eleitoral. Mas o que esperáveis que escrevesse um jornal do regime?

Sem comentários: