Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

20/10/2009

CASE STUDY: quem é o deus ex machina da Ongoing? (6)

[Continuação de (1), (2), (3), (4) e (5)]

Na passada 6.ª feira, véspera de ser publicado o polémico artigo de Nicolau Santos aqui citado, já Nuno Vasconcelos estava a antecipar a resposta com uma conferência de imprensa onde prometeu esclarecer todas as dúvidas e demonstrar a inexistência de favores da PT e de conflitos de interesse com os Espíritos. Na 2.ª feira o seu empregado António Costa do Diário Económico deu o troco directamente a Nicolau Santos.

É preciso uma considerável soma de fé para dar como boas as explicações de Nuno Vasconcelos, a começar por afirmar que os 7% que detém na PT «custaram "700 milhões de euros à família" Rocha dos Santos» para reconhecer que foram integralmente financiados pela banca do regime, como já se sabia faz tempo. Talvez quisesse dizer que um dia a família há-de pagar os 700 milhões que hoje só valem 500 milhões. Como e quando irá pagar é um pouco misterioso quando se ficou a saber que no primeiro semestre o EBITDA foi cinco milhões. Fica-se com a sensação que a Ongoing é uma espécie de iceberg do qual Nuno Vasconcelos só mostra o que está à vista.

Sem comentários: