Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

02/10/2009

ESTADO DE SÍTIO: estatísticas de causas

Segundo o Diário Económico, citando o Boletim do Observatório do Emprego Público, «entre 2006 e Junho de 2009, o Estado contratou 49.852 funcionários públicos mas registou a saída de 107.584 trabalhadores - destes, 64 mil foram para a reforma. Em termos líquidos, a Administração Pública perdeu 57.732 funcionários públicos

Vamos ver se percebo.

Saíram                                              107.504
Dos quais, para a reforma                  64.000
Ou seja, saíram mesmo apenas         43.504
Entraram                                           49.852
Ou seja, temos mais                           6.748 utentes da vaca marsupial pública.

Recorde-se que o programa de governo se propunha cortar 75 mil postos de trabalho e, mesmo na versão estatística de causas, «cortaram» menos de 58 mil. Em termos de despesa pública, 64 mil trocaram vencimentos por pensões da CGA.

Sem comentários: