Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

02/10/2009

Dignitários do soarismo e do socratismo partilham connosco os seus estados de alma

Primeiro foi o incontornável Alfredo Barroso, que, do alto da autoridade moral que lhe conferem os tempos passados na chefia da Casa Civil do ex-presidente Soares, acolitando-o no patriótico esforço de conferir estabilidade aos governos de Cavaco Silva, disse a respeito deste último, e a propósito das trapalhadas em que se deixou emaranhar, «o grande estabilizador transformou-se no grande perturbador».

Depois foi a também incontornável Elisa Ferreira, que do alto da autoridade moral que lhe confere o cargo de deputado europeu, confessou o seu avassalador afecto à cidade dispondo-se a abandonar um cargo «reconhecidamente bem pago, relativamente fácil e menos violento do que ser presidente da câmara» e perder «uma gamela para vir para o Porto por amor à cidade». Elisa Ferreira não explicou a sua motivação profunda para aceitar candidatar-se à gamela.

Bem hajam.

Sem comentários: