Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

18/10/2009

ARTIGO DEFUNTO: os portugueses são ego-excêntricos

Talvez para compensar as opiniões de Maitê Proença sobre a nossa terrinha, que despertaram a justa ira dos patrícios, o jornalismo de causas encheu o peito de ar, eriçou a crista e trombeteou os supostos feitos da nossa academia. O que têm a ver as reacções às ofensas da Maitê com os anúncios gongóricos dos feitos da academia? Imenso. São duas faces da mesma moeda que é a discrepância entre a auto-imagem colectiva dos portugueses, que se sentem como se a humanidade inteira estivesse a olhar para eles, e a imagem que deles têm os estrangeiros, que raramente reparam na existência dos patrícios. Alguns títulos gongóricos:
  • «Mestrado da Nova em Gestão Internacional é o melhor do mundo, diz Financial Times» (TSF)
  • «Segundo o “Financial Times”, a Universidade Nova representa em Portugal o melhor Mestrado em gestão do mundo» (Diário Económico)
  • «Portugal tem o melhor mestrado do mundo», (Portugal Diário)
  • «Melhor curso de mestrado em gestão é dado por Universidade portuguesa», (A Bola, sim é verdade, A Bola. Inspirada pelos feitos do professor Queiroz?)
Fiquei banzado. E eu que pensava que Portugal só tinha uma universidade no top 100 mundial e duas no top 100 europeu. E imaginava que a Nova estava na 221.ª posição do ranking europeu e na 487.ª do ranking mundial, que não figurava no «2009 Business School Ranking do Financial Times», nem no «2009 full-time MBA ranking» da Economist (como aliás não figura nenhuma universidade portuguesa, quer num quer noutro ranking).

Qual seria o milagre? Mas contra factos não há argumentos, pensei, e lá fui ao citado ranking do Financial Times procurar o desagravo. Debalde, da Nova não havia rasto, nem aliás de qualquer universidade portuguesa na lista de 50.


O Masters in International Management que supostamente seria o mestrado da Nova, era afinal um mestrado da CEMS. E o que é a CEMS?



É a Community of European Management Schools. «Born in Europe in 1988, the CEMS alliance now includes 25 full academic members around the world, and 3 associate academic members - each a top school of its country. In line with CEMS' global ambition to offer the world's unique global MSc, more top schools in the world are in the process of becoming CEMS academic members

No fim de contas, a Nova não está, pois, no topo do mundo, está no topo de Portugal. Será das melhores entre as piores, ou, vá lá, das assim-assim - o que já não é mau. O que é pena é Portugal não estar no topo do mundo. Mas isso é outra história, que dificilmente poderia ser contada por brasileiros que têm os mesmos defeitos dos portugueses, dilatados pelo calor. Foi o que escreveu Eça em As Farpas, o que aliás foi na época foi recebido no Brasil com gritos de lesa-pátria, pior recepção do que a das sandices de Maitê.

Sem comentários: