Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/01/2006

O IMPERTINÊNCIAS FEITO PELOS SEUS DETRACTORES: Contributos para a Teoria Geral do Prego (1)

O Impertinências inicia hoje a publicação da primeira de 4 partes duma tese sobre a Teoria Geral do Prego, da autoria de APS, um dos detractores mais impertinentes do Impertinências.

Teoria Geral do Prego

1 – Enquadramento (1.ª parte)

O Homo Sapiens tem três e só três problemas fundamentais na sua vida. A saber e por ordem decrescente da relevância:

  • o problema da sobrevivência da espécie
  • o problema da sobrevivência do indivíduo
  • o problema da sobrevivência ao tempo de vida
Dos três problemas o terceiro tem de ser precisado: qualquer animal tem um tempo de vida genética e estatisticamente (por causa dos azares) especificado e durante esse período tem de fazer algumas coisas. Entre elas, as que se prendem directamente com o primeiro e segundo problemas, mas, pelo menos no caso do homem, ele tem de fazer ainda outras coisas que nada têm a ver com as duas referidas prioridades, aliás, durante a sua vida, muitos dos homens, porventura, farão mais coisas relacionadas com o terceiro problema do que com os outros dois.

O que fazer com o tempo não destinado à simples sobrevivência e reprodução constitui o cerne do terceiro problema e é um problema para o Homo Sapiens porque não somos capazes de experimentar, nem de facto conceber uma vida, mesmo curta, em que o terceiro problema seja excluído.

Os dois primeiros problemas são partilhados por todos os seres vivos que passaram, passam e virão a passar por este mundo. O último é praticamente exclusivo do ser humano.

A razão desta quase exclusividade ao homem do terceiro problema carece de algum estudo mas creio não andar longe de verdade quando digo que se deve a causas de cariz genético relacionadas com o modo como calhou ser programado o sistema nervoso (o cérebro) nas várias espécies animais (a exclusão dos seres vivos não animais não reduz a generalidade das afirmações).


(continua)

Sem comentários: