Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

05/01/2006

O IMPERTINÊNCIAS FEITO PELOS SEUS DETRACTORES: Contributos para a Teoria Geral do Prego (3)

(continuação (1) e de (2))

1 – Enquadramento (3.ª parte)

A respeito do problema da sobrevivência da espécie que é de natureza extremamente simples e delimitada, o homem construiu o epifenómeno ideológico superestrutural mais complicado e complexo de toda a sua história: o amor! E o mesmo se dá com o segundo problema.

Somos levados então a perguntar porquê o evidente êxito do Homo Sapiens? Nestas condições seria de esperar uma rápida e completa catástrofe que eliminasse o homem da superfície da terra. Porque tal não aconteceu? A resposta reside obviamente no terceiro problema para o qual a programação software do cérebro é eficiente e eficaz

O que o homem faz é por via da programação software que lhe permite tratar da questão que fazer com o tempo de vida de modo razoável mas também acomodar os dois primeiros problemas como se pertencessem todos ao terceiro, isto é, para a programação software só existe o terceiro problema.

Uma característica da programação software do sistema nervoso do homem reside na sua auto referência, isto é, trata-se de uma programação misturada e confundida com uma espécie de meta programação que deriva de ser o homem a programar-se a si próprio

Um resultado deste estado de coisas é a respeito do meio ambiente, contrário ao que sucede com o outro tipo de programação: a capacidade (não será a inevitabilidade?) de o homem destruir o meio ambiente que lhe é essencial à própria sobrevivência.

Na realidade podemos dizer que o terceiro problema só existe porque é nem mais nem menos do que uma consequência e uma criação da programação software do cérebro humano.

À pergunta de quem e como se faz esta programação software a coisa talvez não esteja tão clara, pelo menos para os americanos não está, mas eu continuo a apostar no Darwin até que apareça alguém que seja mais convincente.


(continua)

Sem comentários: