Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/01/2006

O IMPERTINÊNCIAS FEITO PELOS SEUS DETRACTORES: Contributos para a Teoria Geral do Prego (2)

(continuação daqui)

1 – Enquadramento (2.ª parte)

Não se deve tomar à letra o sentido da palavra programação quando aqui é adoptado, assim como com as palavras hardware e software. A programação do sistema nervoso aqui referido nem remotamente se assemelha á programação de computadores ou de outras actividades humanas, nomeadamente as económicas. Utilizamo-las como analogias facilitadoras da ideia que se quer transmitir e como toda a gente que ler este trabalho é inteligente e chega sem dificuldade aos conceitos que quero manipular, dispenso-me de uma definição rigorosa destes termos.

O sistema nervoso dos animais em geral tem um tipo de programação semelhante há que é feita por meio de hardware e que, uma vez feita, não é susceptível de ser modificada enquanto a dos homens é mais do tipo software. Obviamente há em muitos bichos laivos de programação software tal como podemos encontrar no homem ainda bons nacos de programação hardware mas a diferenciação entre os dois tipos de organização da actividade dos seres vivos é perfeitamente clara e inequívoca.

A programação tipo hardware do cérebro é extremamente eficaz e eficiente para resolver os dois primeiros problemas cuja natureza é fácil de identificar e delimitar. Se a programação está bem feita o animal resolve os dois problemas de modo satisfatório e sobrevive, se não está, não resolve e rapidamente desaparece.

A programação em hardware tem assim uma desvantagem para o animal que a usa: não lhe permite adaptar-se a uma alteração do meio ambiente. Para isso teria de se reprogramar o que implica e significa uma alteração da espécie. Tem porém uma vantagem para o ambiente: dificilmente uma espécie, deste modo programada, lhe provoca danos definitivos e a razão é clara, para além da atenção aos dois primeiros problemas a generalidade dos animais não faz mais nada.

A programação tipo hardware ignora totalmente o terceiro problema quanto mais não seja porque não é capaz de lidar com problemas indefiníveis, incontornáveis e desestruturados e a consequência é a de tal tipo de problemas não ocorrer no mundo animal ou, de outro modo, se eventualmente existiram a inadequação da programação hardware a este tipo de problemas conduziu à extinção rápida das espécies que, por distracção da natureza, tentaram o método.

À pergunta de quem e como se faz esta programação hardware respondeu Darwin de modo mais ou menos satisfatório, pelo menos para um certo período de tempo, período que julgo que ainda decorre.

No mundo dos homens em que a programação base é do tipo software dá se o contrário a respeito dos dois primeiros problemas cuja resolução é menos eficiente e menos eficaz que nos casos de programação hardware.


(Continua)

Sem comentários: