Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

19/01/2006

DIÁLOGOS DE PLUTÃO: neocon? moi?

- As intenções do Irão reiniciar o processamento do urânio enriquecido são muito perigosas. Talvez seja preciso acabar com a conversa mole.
- Perigosas ou não, têm todo o direito.
- Mas isso permitirá ao Irão produzir a bomba atómica.
- E daí? Israel tem. Paquistão tem. Índia tem. Porque não pode o Irão?
- Mas isso não é matéria de direitos. Com aquela liderança estamos a falar duma ameaça à segurança internacional.
- Ah estamos? E a bomba atómica de Israel não é uma ameaça à segurança internacional?
- Pode parecer. Mas na situação concreta de Israel, cercado pelo mundo islâmico hostil, vejo mais a coisa como dissuasor e garantia de paz no Médio Oriente do que como ameaça.
- Pronto. Já vi tudo. Você é um neocon!
- Con, até posso ser. Neo, já não tenho idade.

Sem comentários: