Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

30/10/2019

DIÁRIO DE BORDO: Senhor, concedei-nos a graça de não termos outros cinco anos de TV Marcelo (92) - «É tudo menos o que Portugal precisava que ele fosse»

Outras preces

«Só que por muito popular que seja, Marcelo não tem qualquer autoridade, pois aquela que lhe vislumbram é meramente aparente, e só na medida em que ele se sujeita a seguir o ar do tempo. O Presidente e a sua acção não são uma cura para o problema que ele talvez identifique, mas sim um sintoma da doença.

Olhando para este mandato de Marcelo, é fácil ver o padrão das suas intervenções públicas: a maior parte é pura e simplesmente inócua, limitando-se à exibição da sua pessoa (ou melhor, da sua personagem pública) pelas feiras e praias deste país, distribuindo abraços e beijinhos por quem “gosta muito” de “ver o Professor na televisão”. E sempre que se manifesta sobre algo de substantivo, seja qual for o assunto, Marcelo toma sempre a posição que julga ser a da maioria dos “portugueses comuns”, e só se pronuncia de forma crítica sobre algo (a maneira como o governo lidou com os incêndios de 2017, por exemplo) quando – e só depois de – se gerar um certo grau de comoção e insatisfação públicas.

Embora talvez inadvertida, a alcunha de “papagaio” que o senhor das Forças Armadas talvez não tenha atribuído a Marcelo mas que meio país logo julgou descrevê-lo é particularmente apta: tudo o que Marcelo diz é um eco do que “os portugueses” (no sentido que a conhecida filósofa política Teresa Guilherme dava ao termo) dizem nos cafés. Marcelo é um escravo da sua necessidade de ser popular, o que faz com que seja um escravo do instável sentimento público. Por outras palavras, é tudo menos o que Portugal precisava que ele fosse.»

O Presidente “influencer”, Bruno Alves no Económico

Sem comentários: