Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

19/10/2019

CASE STUDY: Trumpologia (51) - Entrada de leão, saída de sendeiro

Mais trumpologia.

Primeiro Trump avisou o mundo que «se a Turquia fizer algo que eu, em minha grande e inigualável sabedoria, considere estar fora dos limites, destruirei e destruirei totalmente a Economia da Turquia (já fiz isso antes!)», 

Ainda as forças americanas estavam fazer as malas, aconteceu o que toda a gente sabia que aconteceria, o exército da Turquia, um aliado formal dos Estados Unidos e membro da NATO, iniciou a caça aos curdos, uma minoria que serviu de tropa de choque às forças americanas para erradicarem o Estado Islâmico na Síria. Apesar disso e de outras coisas, como o seu papel na derrota de Saúdam Hussein, para Trump os curdos não mereciam grande consideração por não terem colaborado no Dia D. E não, ele não disse isto como uma piada.

Foi então que Trump, num exercício da arte de alienar os aliados de facto e deixar os aliados pró-forma fazerem o que os inimigos não ousam, escreveu a Erdogan a ameaçá-lo que destruiria a economia turca, e recebeu como resposta no diário Hürriyet:
«A carta de 9 de outubro foi rejeitada pelo Presidente Erdogan e deitada no lixo».

Sem comentários: