Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

20/05/2018

Pro memoria (377) - Cinquenta anos depois, no lugar dos soixante-huitards, os seus netos

La plage sous la pavée

Tudo começou no dia 2 de Maio de 1968 na universidade de Nanterre, num subúrbio de Paris, propagou-se no dia seguinte à Sorbonne no Quartier Latin, no coração de Paris. A partir daí incendiou a França durante todo o mês.

A causa próxima foi o descontentamento que lavrava nas universidades atulhadas de alunos, com anfiteatros com capacidade para algumas centenas cheios de milhares, um ensino massificado sem qualidade, intoxicado de política, focado nas humanidades, sociologias, sem qualquer selecção, onde todos os alunos com um bac (diploma do secundário) em qualquer área de qualquer lycée se podiam inscrever em qualquer curso de qualquer universidade - no limite um aluno de la Terminale littéraire - Langues anciennes poderia inscrever-se num curso de física - e onde a maioria dos alunos desistia após meia dúzia de ano sem aproveitamento. Tudo isto em contraste com as Grandes Écoles altamente elitistas onde eram formada a nomenclatura de la République - para dar um exemplo, os Énarques da École nationale d'administration (ENA) constituem desde sempre o núcleo duro da maior parte dos governos.

Cinquenta anos depois, é difícil encontrar diferenças significativas nas universidades franceses de 2018. O foco actual da luta estudantil contra as tímidas reformas de Macron é a égalité pour l'accès à l'université, ou seja, qualquer aluno com um qualquer bac poderá continuar inscrever-se em qualquer curso de qualquer universidade sem quaisquer condições de selecção e frequentá-la por quantos anos lhe aprouver. Ou seja, manter a receita para o insucesso por via de regra e para o desastre ocasional.

2 comentários:

Anónimo disse...

A maralha feneceu com as eleições gerais (na época ainda eram democráticas) no final de Junho 1968 — v.g., um mês depois. O povo mostrou que se estava borrando nos fedelhos.
Agora o 'sinal que a vogal é longa' vai 'emmerder tout'.

Com estima

Ricardo Amaral disse...

A origem da desgraça nacional(na senda da desgraça europeia que abriu as portas à insanidade "liberal-progressista" global e maçónica com os "belos" resultados evidenciados em Inglaterra e França etc) https://cascalenses.blogs.sapo.pt/o-obelisco-da-memoria-em-angra-do-54062