Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

16/05/2018

CASE STUDY: Trumpology (32) - Donald e seu némesis Mueller

Mais trumpologia.

«O conselheiro especial Robert Mueller, que actualmente lidera a investigação sobre uma possível intrusão russa durante a campanha presidencial de 2016, cresceu em circunstâncias que, em alguns aspectos, são comparáveis às de Donald Trump. Os dois homens nasceram com dois anos de diferença em cidades do Nordeste, de famílias abastadas que incentivavam a prática de desporto. Ambos se formaram em universidades da Ivy League, e ambos foram fortemente influenciados por seus pais. Mas as suas reacções à Guerra do Vietname são características dos homens que conhecemos hoje: depois de se formar em Princeton, em 1966, Mueller alistou-se nos fuzileiros navais. Foi baleado em combate e tinha uma reputação de devoção inabalável aos seus homens, facto que foi citado quando foi condecorado com a Estrela de Bronze. Trump fez cinco adiamentos e gabou-se de que seu “Vietname pessoal” envolvia evitar doenças sexualmente transmissíveis. “Os dois homens viveram suas vidas em busca de objectivos quase diametralmente opostos”, observa o escritor Garrett Graff. "Mueller uma vida de serviço público patrício, Trump uma vida de lucro privado."

O tempo de Mueller nos fuzileiros navais não é uma parte muito conhecida de sua vida, mas ele faz-lhe referência frequentemente como sendo um componente crucial de quem ele é hoje. Ele faz sua cama todos os dias, por exemplo - um pequeno indicador, escreveu Graff sobre Mueller. "Se você pensa nisso - faça isso", disse Mueller a Graff. "Eu sempre fiz minha cama e sempre me barbeei, mesmo no Vietname, na selva. Você deposita dinheiro no banco em termos de disciplina." E este ex-fuzileiro naval não está brincando com a disciplina quando se trata da investigação sobre a interferência da Rússia. Os jornalistas que o questionam sobre isso são atendidos pelo porta-voz de Mueller, Peter Carr: "Sem comentários". Disciplina, ordem e persistência são a espinha dorsal militar do trabalho actual de Mueller, e é exactamente assim que ele gosta.»

Newsletter de hoje da Wired

A circunstância de Trump ser objecto de ódio de estimação da esquerdalhada não o torna necessariamente objecto de devoção de um liberal.

Sem comentários: