Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/05/2018

ESTADO DE SÍTIO: EDP, locus do complexo político-empresarial socialista

«O Governo é o lugar onde há mais ministros. O Conselho Geral e de Supervisão da EDP é o lugar onde há mais ex-ministros. Apontem: Luís Amado (ministro da Defesa e ministro dos Negócios Estrangeiros de José Sócrates), Eduardo Catroga (ministro das Finanças de Cavaco Silva), Celeste Cardona (ministra da Justiça de Durão Barroso e Paulo Portas), Jorge Braga de Macedo (ministro das Finanças de Cavaco Silva), Vasco Rocha Vieira (nomeado por Cavaco Silva ministro da República nos Açores e último governador de Macau), Augusto Mateus (ministro da Economia de António Guterres) e António Vitorino (ministro da Presidência e ministro da Defesa de António Guterres). Um terço dos 21 membros do Conselho Geral e de Supervisão da EDP são antigos ministros. Porque será?»

Se o presidente americano Dwight D. Eisenhower quando fez o seu discurso de despedida em 17 de Janeiro de 1961 conhecesse o Portugal Socialista, em alternativa ao exemplo do «military–industrial complex» como «potential enemy of the national interest», uma «unjustified expenditure» e «nothing more than a distorted use of the nation's resources», poderia ter dado o exemplo do complexo político-empresarial socialista português, um dispositivo herdeiro do Estado Novo Corporativo, incrementado com as nacionalizações do PREC e refinado com uma espécie de capitalismo de estado montado pelo polvo socialista mancomunado com os empresários do regime onde sobressaíram os Espíritos.

Sem comentários: