Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/11/2017

Que alívio!

Uma comunicação de um grupo de biólogos na revista Proceedings of the National Academy of Sciences avançou uma explicação evolucionista para o envelhecimento celular, concluindo que envelhecer é uma fatalidade incontornável. Eis a explicação dada por quem sabe:
«Given that natural selection’s pressure is reduced after humans have procreated, it seems less likely to operate on the genetic underpinnings of all that joint-creaking and skin-wrinkling. But the researchers showed mathematically that, even if natural selection against such traits were perfect, cellular competition would still cause problems associated with ageing. If a cell acted only to maximise its utility to the whole organism, it would eventually lose out to more individually competitive cells. If instead it maximised its own vigour, out-competing surrounding cells useful to the wider organism, that is pretty much the definition of cancer.»
Más notícias para os muitos Peter Pan que procuram o elixir da eterna juventude e ainda arriscam a ganhar um carcinoma. Crescei e ganhai juízo.

Boas notícias para a humanidade em geral que não tem de aturar por 969 anos Trotsky, Lenine, Mussolini, Hitler, Estaline, Mao, Chavéz, Castro e outros da mesma extracção.

Sem comentários: