Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/07/2017

Estado empreendedor (104) - Nacionalizar o SEF e privatizar o SIRESP


São as sequelas das privatizações do governo neoliberal de Passos Coelho, ocorreu-me à primeira vista. À segunda vista, lembrei-me que o governo de Costa já tinha revertido a privatização da TAP e lá fui ler a peça e constatar que afinal a causa de demora é a falta de pessoal do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Segundo a aritmética da direcção do SEF citada pelo DN: «presentemente tem cerca de 230 elementos a efectuar o controlo da fronteira neste aeroporto, no ano passado eram 150 e no verão 195». Mas então, interroguei-me, de 195 para 230 não houve um aumento de 18%? E o aumento das chegadas não foi menos de 12%?

Para compreender é preciso ler explicação aritmética do diário da manhã: «Se descontarmos aos 230 os 45 estagiários, ficam 185, menos 10 que em 2016», completada com a do sindicalista: «a sua presença pouco adianta pois não têm ainda competências atribuídas».

E o PS não poderia "reverter" a nacionalização do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras e votar a sua privatização como fez com o SIRESP?

3 comentários:

rkc disse...

Privatizar a Polícia?

Mas você é estúpido ou viu o robocop muitas vezes?

Pertinente disse...

rkc não é obviamente muito dado a subtilezas e escapou-lhe a boutade que não vou explicar-lhe porque deixaria de ser boutade.

Anónimo disse...

Se não podem meter mais pessoal no SEF, por restrições orçamentais, que se compreendem, metam o SEF onde há mais pessoal (PSP, GNR, PJ...).