Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

02/07/2017

Alguém pode explicar a diferença entre um CAC e um comptable?

Há uns três anos, Ricardo Salgado com o propósito de épater les journalistes e enfumaçar os mídia (ou talvez por mera ignorância) chamou «commissaire aux comptes» (sic, sem ser a do Balsemão) ao seu contabilista que o ajudou a fabricar as contas da Espírito Santo Internacional (ESI) e na altura já estava a dar com a língua nos dentes.

Acontece que «commissaire aux comptes» (CAC) é o equivalente francês ao revisor oficial de contas. Machado da Cruz, a criatura a quem o DDT chamava CAC, é o comptable que entre outras coisas, como aqui escrevi há três anos, que em países civilizados costumam ser crimes sujeitos a prisão, confessou que terem sido inventados activos em Angola no valor de 1,3 mil milhões para cobrir um passivo da ESI e esconder perdas que no final atingiram 2,2 mil milhões. Tudo isto com instruções de Ricardo Salgado e o conhecimento de outros.

Alguém pode explicar a diferença aos jornalistas do Expresso que insistem em chamar CAC a Machado da Cruz? («O testemunho do seu commissaire aux comptes foi vital para o MP») Ponham os olhos no diário do regime que já percebeu a diferença. 

Sem comentários: