Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/07/2017

ARTIGO DEFUNTO: Se quisermos saber o que se passou em Tancos é melhor ler a imprensa espanhola

Uma espécie de continuação daquidalidacolá e dacoli.

Com grande alegria minha, e certamente de outros espíritos livres, e com grande mágoa dos muitos que querem aprisionar as meninges dos portugueses nos esquemas do spin e do agitprop da esquerdalhada, os jornais estão a tornar-se um bem transaccionável e estamos cada vez menos limitados à verdade a que o jornalismo indígena de causas decide que temos direito.

É certo que temos um problema de dimensão do mercado. O número de portugueses que querem saber a verdade é bastante limitado e por isso não há muitos jornais estrangeiros que gastem latim e tinta a produzir notícias sobre a jangada de pedra.

Os espanhóis, aqui mais à mão, são uma alternativa, como já se viu ao furarem o spin da tropa ao serviço de Costa nos incêndios.

E agora, outra vez, ao publicarem «el inventario de lo robado en el arsenal de Portugal que tiene en alerta a Europa», inventário que o ministro da Defesa ainda não devia conhecer, ocupado como tem estado, primeiro com o namoro entre os alunos do Colégio Militar e depois com as boas práticas de segurança, como aqui lembrou Helena Matos.

Sem comentários: