Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

17/02/2016

QUEM SÓ TEM UM MARTELO VÊ TODOS OS PROBLEMAS COMO PREGOS: O alívio quantitativo aliviará? (38) – Aliviar, alivia, de momento alivia o crescimento no Japão (VII)

Outras marteladas. Continuação de (I), (II), (III), (IV), (V) e (VI)

Sabeis o que me faz lembrar o quantitative easing (QE) em geral, e em particular o QE integrado na Abenomics de Shinzo Abe para reviver uma economia dum país envelhecido com a população a diminuir, com um PIB per capita PPP de USD 38,2 mil (Portugal USD 27,8) e um desemprego de 3,3%? As danças dos índios, perdão, povos nativos, a pedir chuva a Manitu.

A diferença é que por vezes a chuva coincidia com as danças dos povos nativos enquanto as taxas de juro negativas do BoJ (actualmente -0,1%) e a impressora a fazer horas extraordinárias não fizeram mais no 4.º trimestre de 2015 do que contrair a economia em -1,4% em termos anuais, principalmente devido à queda do consumo das famílias.

Entretanto, segundo The Economist Espresso, «negative rates could cut big banks’ profits by 8% and regional lenders’ by 15%, says Standard & Poor’s, a credit-rating agency. The BoJ’s unprecedented monetary easing has so far chiefly hit government-bond traders, who saw volumes in their market dwindle; now other financial firms will pay a price, especially if the central bank goes deeper into negative territory

Sem comentários: