Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/02/2016

CASE STUDY: A situação portuguesa é diferente da irlandesa, mas nem sempre para melhor (8)

Outros episódios da mesma série.

Por alturas de Novembro de 2010 publiquei o primeiro post desta série onde comecei por citar três luminárias agora retiradas ou em vias de se retiraram. Vou citá-las de novo para ficar patente porquê nós estamos onde estamos, tratados com a medicina que estas e outras luminárias que as seguiram aplicaram, e a Irlanda está onde está:
  • Cavaco - «Há muito tempo que eu afirmei que o problema da Irlanda era muitíssimo mais grave que o português»;
  • Sócrates - «Quem acompanha esses mercados sabe que hoje subiram os juros da Irlanda, que bateram novo recorde – e nós já descolámos da Irlanda nesse domínio»;
  • Teixeira dos Santos - «Portugal é diferente da Irlanda e que traçou um caminho de consolidação e de políticas de reformas».
Cinco anos e três meses mais tarde, façamos um ponto de situação comparativa do tigre celta e do tareco lusitano. Pelo lado do tareco andamos embrulhados com a novela do orçamento da geringonça e com os multiplicadores de Costa-Centeno. Pelo lado do tigre as coisas têm o aspecto que os diagramas seguintes mostram:

Fonte:Trading Economics (Clicar para ampliar)


É claro que por detrás destes resultados houve alguma sorte no passado - eles são irlandeses e não foram governados pelo PSD-CDS – e muito mais sorte para o futuro – eles continuam a ser irlandeses e não têm o par Costa- Centeno e, principalmente, não têm uma gerigonça, so far.

Sem comentários: