Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/02/2016

Lost in translation (265) - «Costa garante que vai dar 700 milhões aos portugueses»

Talvez Costa não tenha dito exactamente isso, mas a ideia é essa e o facto de o jornalista ter traduzido a coisa assim mostra bem o grau de alienação a que já chegámos.

Usando as palavras de Maria João Marques no Observador:

«Que complacente oferta é esta de Costa às famílias? O primeiro-ministro elenca: a redução da sobretaxa do IRS, a diminuição das taxas moderadoras, o aumento dos vencimentos, o aumento das pensões e a reposição de prestações sociais. 
É fabuloso, não é? A redução da sobretaxa do IRS e a diminuição das taxas moderadoras são dinheiros das famílias, da riqueza que criaram a partir do seu trabalho (ordenados) ou da prestação de serviços como o arrendamento de uma casa (rendas) ou pela remuneração do investimento (lucros) – de que o Estado se vai apropriar um bocadinho menos. (Depois apropria-se quando consumimos, mas por instantes esqueçamos esta insignificância de 600 milhões de euros.) Onde está a dádiva?»

Para responder à pergunta de MJM, podemos usar o diagrama de Jorge Costa neste post do Insurgente.

Créditos: Jorge Costa, Insurgente

Está encontrada a resposta: a dádiva é dos sujeitos passivos que pagarão os aumentos do ISP, IVA, ISV, etc.

Sem comentários: