Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

25/02/2016

Dúvidas (147) - Costa com «obra feita» em Lisboa. Amanhã em Portugal? (13)

Outras obras feitas.

«Durante os oito anos em que presidiu à Câmara Municipal de Lisboa (CML), António Costa não concluiu qualquer concurso para as chefias intermédias da autarquia como é obrigatório por lei, acusa um relatório do gabinete dos vereadores do PSD, a que a SÁBADO teve acesso e que revela esta quinta-feira na edição impressa. Fernando Medina, presidente da CML, admite à SÁBADO que os dirigentes da autarquia foram nomeados em regime de substituição. Todos os directores de departamento e chefes de divisão foram nomeados através dessa figura legal, e assim permaneceram até hoje, incluindo Susana Ramos, directora do Departamento de Desenvolvimento Social, mulher do vice-presidente da câmara Duarte Cordeiro.

No mandato de 2007-2009 as chefias intermédias em substituição totalizavam 172 funcionários e no mandato que terminou em 2013 eram 148. O presidente da CML, Fernando Medina, reconhece à SÁBADO que "todos os actuais dirigentes da CML estão em regime de substituição, na sequência da entrada em vigor da última reestruturação orgânica, em Junho de 2015, que determina a cessação das anteriores nomeações. A nomeação em regime de comissão de serviço envolve a abertura de concurso para todos os cargos dirigentes que ascende a cerca de 160, em fase de planeamento".»

Fonte: Revista Sábado

Sem comentários: