Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

15/02/2016

CAMINHO PARA A INSOLVÊNCIA: De como o melhor que pode acontecer ao paraíso prometido aos gregos pelo Syriza é ser um purgatório (L) – «A mesma linha»? Não, fim da linha

Outros purgatórios a caminho dos infernos.

Sob a batuta do Syriza há poucas novidades na Grécia. Os agricultores terminaram as manifestações de fim-de-semana em frente do parlamento grego e voltaram ao bloqueio das auto-estradas por toda a Grécia.

Fonte: ekathimerini
Entretanto, um grupo de trabalho do grupo parlamentar europeu do PPE de visita à Grécia concluiu que a segurança social grega gasta 4 vezes mais em pensões do que os outros países da EU. Compreende-se por isso que os gregos se manifestem e até lancem uns quantos cocktails Molotov tentando que os contribuintes europeus continuem a financiar as suas reformas.

O governo Syriza-Anel extrema-esquerda/extrema-direita está assim num dilema. Bail-out ou bail-in? Pergunta-se o ekathimerini, e explica que «o governo está sob pressão de grupos com interesses especiais, como os agricultores, para sucumbir às suas exigências, por um lado, e dos credores do país para chegar a um acordo global sobre as questões orçamentais e a reforma das pensões, por outro. No entanto, o clima económico em deterioração e a falta de progresso significativo na luta contra o crédito malparado aponta para uma escolha mais difícil: depositantes ou devedores?»

Por isso não admira que o Bloco de Esquerda, o Syriza que temos de gramar, se distancie e tente fazer esquecer os arroubos de paixão (partilhados com Costa, recorde-se). Alguns, como Fernando Rosas concedem que «Syriza foi uma derrota séria da esquerda europeia».

2 comentários:

Unknown disse...

Entretanto o lirico teorizador de jogos do Siryza apresentou em Berlim um partido para unir "todos" os europeus, sem barreiras. Provavelmente todos pagarão tudo para todos.

Dudu disse...

Porque estao entre a espada e a parede, Tsipras tenta e pede a ajuda de outros na missao de implodir a UE. A passagem dos refugiados tem ajudado a causa.