Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

16/02/2016

O tigre celta e o tareco lusitano (6) – «Horrendo», disse o Taoiseach do tigre referindo-se ao estado do tareco

[Sequela de (1), por sua vez sequela de O rugido do tigre vs o miado do gato, de (2), de (3), de (4) e de (5)]

Parece que anda por aí mais uma revoada de indignações (incluindo de Nicolau Santos, o nosso pastorinho da economia dos amanhãs que ele acredita piamente que voltem a cantar) a propósito das comparações que o primeiro-ministro irlandês Enda Kenny fez com o Portugal da geringonça, chamando a atenção para os riscos do tigre celta se transmutar em tareco lusitano.

A Bloomberg sintetizou a coisa assim: «Portugal is paying a “horrendous” price for political instability, Irish Prime Minister Enda Kenny said, as he tried to arrest a slide in his coalition’s popularity before an election.»

Francamente, ainda que ache o horrendous price um «poucochinho» exagerado, a verdade é que não consta que as almas sensíveis agora indignadas se tivessem indignado quando Cavaco, Sócrates e Teixeira dos Santos disseram o que disseram em Novembro de 2010 a respeito da Irlanda. Sendo certo que nem Enda Kenny nem o Fine Gael deram sinais de sequer ter ouvido essas aleivosias.

Sem comentários: