Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/02/2016

O ruído do silêncio da gente honrada no PS é ensurdecedor (132) - O social-trauliteirismo

João Miguel Tavares evocou aqui quatro momentos notáveis do socialismo trauliteiro ou social-trauliteirismo, a saber:
  • «Ó sô guarda, desapareça» - Mário Soares em 1993 - talvez o momento fundador do social-trauliteirismo,
  • «Quem se meter com o PS leva!» - reacção em 2001 do grande estradista Jorge Coelho a uma bastonada no governo socialista do então bastonário dos advogados António Pires de Lima, a propósito da política de justiça do então ministro António Costa. 
  • «Eu cá gosto é de malhar na direita» - declaração pouco diplomática de Augusto Santos Silva, actual ministro dos Negócios Estrangeiros, em 2009, no governo do outro grande trauliteiro e animal feroz José Sócrates. 
  • «A todos os títulos lamentável» - declaração de António Costa a respeito de Carlos Costa a quem exigiu uma «posição responsável». 
  • «Um disparate total», «condenável», «inaceitável», «devia tirar as devidas consequências» - declaração de João Soares a respeito de António Lamas, presidente do CCB. 
Tenho a certeza que se o Presidente Eleito Marcelo ainda desse notas, haveria de dar a melhor ao seu antecessor em Belém, Mário Soares, que com aquela expressão seca, dita com ar de patrão para faxineiro, atingiu o pináculo do social-trauliteirismo.

Sem comentários: