Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

01/09/2014

Um governo à deriva (20) – pôr dinheiro no bolso das pessoas com o dinheiro dos outros

«O que o Orçamento Rectificativo nos trouxe, para além da necessidade de compensar a derrapagem da despesa e os chumbos do Tribunal Constitucional, é a confirmação de que o Governo já percebeu que, a pouco mais de um ano das eleições, têm de pôr dinheiro no bolso das pessoas. E se o puder fazer com o dinheiro dos outros, das empresas, melhor ainda. Os portugueses estão a gastar mais do que estavam, o consumo das famílias é que vai suportar a trajectória de recuperação, ainda limitada. Mesmo que isso seja a capitulação total da estratégia que existia há três anos, de uma economia reestruturada e exportadora, quando a ‘troika' chegou. Quem quer saber disso? É preciso ganhar eleições.

Para as empresas, as centenas de milhar pelo País que, por necessidade, têm trabalhadores a ganhar o salário mínimo ou perto disso - estes também vão ser pressionados em alta - o melhor é começarem a poupar. Se puderem. Já sei, se estas empresas não conseguem pagar um aumento do salário mínimo, deveriam fechar. Sim, pois, também gostaria de viver num País que tem a economia de Silicon Valley, mas essa economia, neste País, não existe, é outra. É a que temos, não a que gostaríamos de ter.»

«O salário mínimo que (quase) todos querem», António Costa no Económico

Sem comentários: