Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

14/09/2014

NÓS VISTOS POR ELES: Não é barato mas sai caro

Como se sabe, o sistema educativo português é: muito bom segundo os professores e poderia ser excelente se fossem recrutados mais professores e aumentados os salários; bom para o governo e poderá ser muito bom depois da próxima reforma; foi bom enquanto a oposição foi governo mas está a degradar-se; não é grande coisa, é caro e demasiado exigente para os pais.

Para a GEMS Education Solutions, no Efficiency Index Report (citado aqui pela Economist) que compara resultados com custos, o sistema educativo português é pouco eficiente e Portugal é o 7.º menos eficiente dos 30 países da OCDE.


Como prémio de consolação, o sistema português é um pouco mais eficiente do que o alemão o qual é, contudo, claramente mais eficaz (score PISA 2012 em matemática 514 contra 487). Ou seja o carro alemão anda mais depressa mas consome mais combustível, o que não faz do carro português um carro frugal. De facto, Portugal está meio da tabela (13.º) em matéria salarial (salários a PPC) é o país da OCDE com menos alunos por professor (7,6 contra 16,5 da Finlândia, que tem o sistema de ensino mais eficiente e um dos mais eficazes).

Sem comentários: