Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

16/09/2014

ARTIGO DEFUNTO: Ignorância e preconceito

«Famílias pagam 34% da despesa total do país em saúde», foi o título que um misto de ignorância e enviesamento ideológico levou o Público a prantar numa notícia, a propósito dos 35 anos da criação do Serviço Nacional de Saúde, para descrever a seguinte situação: a despesa total em saúde é paga pelas famílias (por quem mais poderia ser? o papa Francisco? o Kremlin?), sendo cerca de 1/3 pago directamente pelas famílias que usam os serviços privados de saúde e cerca de 2/3, correspondentes aos serviços prestados pelo SNS, suportados pelos impostos pagos por todas as famílias, quer usem ou não o SNS.

1 comentário:

Anónimo disse...

Para ser justo há que dizer que muitas famílias - ou melhor ainda "sujeitos passivos" - não pagam impostos, para além do IVA.
Sendo assim o SNS é suportado pelos poucos que pagam tudo, taxas incluídas e subsistemas públicos.