Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

20/08/2012

Mitos (82) – O contrário do dogma do aquecimento global

O contrário do dogma do aquecimento global não é o dogma do não aquecimento global. É a dúvida sistemática sobre a evolução do clima e os factores que a condicionam.

Foi recentemente publicado um estudo de uma equipa liderada por James Hansen, do Goddard Institute for Space Studies que faz parte da NASA, sobre a ocorrência de fenómenos meteorológicos extremos como ondas de calor. Sendo James Hansen um militante da causa do aquecimento global de origem humana, à pala da qual já foi preso várias vezes por participar em manifestações, a reacção normal dos negacionistas seria de deitar pela borda fora tal estudo. Mais devagar.

Vejamos os métodos e os dados e esqueçamos os propósitos. O estudo cobriu as temperaturas médias à superfície da Terra em milhares de pequenas áreas durante 60 anos de 1951 até 2011 e mediu os desvios em relação à média durante cada uma das seis décadas. O resultado foi 6 conjuntos de dados que se ajustavam, como seria de esperar, a curvas de Gauss, as quais normalizadas usando as respectivas médias e os desvio-padrões puderam então ser comparadas. A representação dessas curvas normalizadas no gráfico seguinte torna visível que década após década o «sino» se desloca para a direita e se achata claramente, ou seja  a dispersão se acentua, e a frequência de temperaturas mais altas é crescente.


Estes são os factos estatísticos. Quais as causas dessa maior frequência? Isso é outro assunto.

(Fonte: «Bell weather - A statistical analysis shows how things really are heating up», Economist Aug 11th)

Sem comentários: