Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/08/2010

SERVIÇO PÚBLICO: Testes de (pouca) resistência (3)

[Continuação de (1) e (2)]
Segundo a narrativa da troika Comissão Europeia, BCE e Comité de Supervisores Bancários Europeus em coro com os bancos centrais nacionais, os resultados observados dos testes de resistência foram quase tão bons quanto os previstos e anunciados premonitoriamente nas semanas anteriores. Diferentemente das reservas de muitos analistas independentes quanto à metodologia, os mercados de capitais reagiram até agora positivamente aos resultados e as bolsas recuperam uma parte das perdas deste ano.

Podemos, portanto, virar a página porque os mercados de capitais europeus dobraram o cabo das tormentas? Talvez. Entretanto, à cautela, antes de passar à frente, façamos algumas perguntas. Quem conhece melhor a situação financeira dos bancos europeus? Os próprios bancos. Estão os bancos europeus, com confiança acrescida pelos resultados dos testes de resistência, a emprestar mais dinheiro uns aos outros? Não parece. Continuam as dificuldades de financiamento no mercado interbancário e as taxas a subir.

Sem comentários: