Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/08/2010

Ontem licenciados, amanhã mestres, no futuro doutores

Chegou-me um dia destes um convite para assinar esta petição:

À primeira vista pareceu-me uma petição ridícula. À segunda vista pareceu-me uma petição ridiculamente incontornável. O processo de Bolonha visava permitir aos jovens universitários chegar mais cedo ao mercado de trabalho. Na sua aplicação às universidades portugueses perdeu-se pelo caminho o grau de bacharelato, muitas licenciaturas encolheram para 4 anos e nas equivalências das que já tinham 4 anos conseguiu-se em muitas universidades uma equivalência ao mestrado com umas cadeirinhas suplementares ad hoc. Com este Bolonha à portuguesa, filho ilegítimo das obsessões harmonizadoras da UE e da chico-esperteza nacional, se os bacharéis são promovidos a licenciados é natural que os licenciados queiram ser promovidos a mestres e, já agora, os mestres aspirem a promoção a doutores.

Sem comentários: