Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/08/2010

CAMINHO PARA A SERVIDÃO: Há algo de podre no reino de Portugal

Se já é suficientemente mau o governo ter interferido nas decisões dos accionistas da PT, imagine-se o que é o governo ter montado uma operação essencialmente política, como aqui se relata (via Blasfémias), em que a PT se vê envolvida pela mão de José Sócrates no vespeiro duma Oi com uma estrutura societária absolutamente bizarra, accionistas que não fazem a mínima ideia do que seja o negócio de telecomunicações, tudo para «armar o Partido dos Trabalhadores (a reboque do qual virá, agora, o Partido Socialista de Portugal) com a imbatível arma de um sistema completo e verticalizado de telecomunicações, com projecção nacional e internacional, que lhe dará poderes incontestáveis sobre o verdadeiro esqueleto em cima do qual se estruturam e se apoiam toda a economia e, para ser directo e resumido, todas as actividades humanas hoje em dia».

Como podem os accionistas portugueses ter-se submetido aos ditames daquela gente? É ver quem são eles: os Espíritos que têm mantido com os governos socialistas uma promiscuidade sem vergonha, a Caixa, a Controlinveste do amigo Oliveira e a Visabeira (um dos maiores fornecedores da PT).

E podia ser de outra maneira? Dificilmente, dadas as circunstâncias, e nunca com esta mesma gente que ocupa o aparelho de estado napoleónico-estalinista. Não há milagre que transforme gente que afunda um estado ineficiente e falido, aprofunda a falência de empresas públicas falidas e de caminho torra milhares de milhões de dinheiro extorquido aos contribuintes, em gente com visão estratégica e empreendedorismo suficientes para tomar decisões deste calibre, ainda por cima, envolvendo capitais alheios para os quais não contribuíram com um cêntimo.

Sem comentários: