Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

20/08/2010

SERVIÇO PÚBLICO: Desaparecidos em combate

No início de 1998 existiam 746 mil activos entre os 15 e 24 anos. Em meados de 2007 já só eram 426,2 mil e no final do 2.º trimestre deste ano o número reduziu-se para 339,7 mil, isto é menos de metade de há 12 anos. O que se passou?

Várias coisas. Doze anos depois, nenhum dos jovens de 1998 se encontra já no escalão 15-24. Como a natalidade está a descer, é natural que o número se reduza. Mas reduzir para metade? A natalidade não se reduziu para metade do período 1974-83 (quando nasceram os activos que se encontravam naquele escalão em 1998) para o período 1986-95 (idem para 2010). Tem que haver outras causas. Claramente uma delas será a entrada cada vez mais tardia no mercado de trabalho dos jovens, aboletados nas casas dos pais, arrastando-se em cursos frequentemente inúteis. Outra causa será o aumento do desemprego, mas como? se a taxa de desemprego nesse escalão não está a aumentar. É bem provável que uma causa residual explique esta baixa dramática do emprego: a opção pela inactividade.

A coisa só pode acabar mal. Muito mal.
[Dados daqui]

Sem comentários: