Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

18/08/2010

ARTIGO DEFUNTO: É uma questão de perspectiva

FACTOS

Nas últimas duas emissões de dívida pública as taxas médias dos leilões foram as seguintes:


Qual a leitura que estes números permitem suportar? Os mercados antecipam a muito curto prazo uma redução do risco da dívida portuguesa ou uma redução significativa das taxas. A curto-médio prazo, das duas, uma, ou esperam um agravamento da situação financeira do estado português e/ou esperam um aumento das taxas de mercado.

NOTÍCIAS

Perante o mesmo facto, inclusivamente com indicação explícita das mesmas taxas e montantes, dois jornais titulam:

Público - «Estado paga mais juros para emitir dívida com o prazo de um ano»

Jornal de Negócios – «Portugal lidera queda de juros na Europa após sucesso na emissão da dívida»

Sem comentários: