Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

15/08/2005

DIÁRIO DE BORDO: não há milagres

Não obstante a criação de círculos uninominais anunciada pelo PS potenciar a responsabilização individual dos eleitos, favorecer a criação de maiorias e uma clarificadora polarização, suspeito que, só por si, não fará grande coisa pela salvação do regime.

Esquecendo, por agora, que este experimentalismo constitucional ad hoc é um sintoma preocupante de uma doença talvez grave, fica por resolver como se evitará a multiplicação de deputados independentes do queijo limiano, candidatos a um mensalão, ou pelo menos a uma mesada, e a uma póstuma sinecura.

Algumas alterações serão necessárias para dar um mínimo de eficácia à mudança, como a revisão das incompatibilidades, o aumento da remuneração dos deputados, a redução do seu número e um trade off entre os círculos uninominais e o círculo nacional.

Ainda assim, se tudo corresse bem e seria a primeira vez em séculos, a qualidade do pessoal político levaria uma geração a melhorar e sem ela teremos inevitavelmente uma democracia representativa que representará a mediocridade dos seus agentes.

Sem comentários: