Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/08/2005

CASE STUDY: e se de repente as arvorezinhas

Agora que o país já está a arder, outra vez, seria bom aproveitarmos para questionar os fundamentos da política florestal «democrática» que é essencialmente igual à política florestal «fascista». Essencialmente diferente é a composição da floresta original e a de hoje que resulta de séculos utilização irracional e anti-económica dos solos induzida pela intervenção do estado napoleónico-estalinista (a respeito da diferença de composição ver este esclarecedor post do Blasfémias)

Um bom começo para questionar a bondade do «culto» da floresta, seria analisar as press release do FRS) que «conclui que não há provas científicas que as florestas aumentem ou estabilizem o fluxo de água em áreas desérticas ou semidesérticas. Recomendando que, se a falta de água for um problema, os governos imponham limites à plantação de florestas». (The Economist)

Mais do mesmo não adianta.

Sem comentários: