Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/01/2019

ACREDITE SE QUISER: A condução tem sexo

Não obstante o pensamento mágico e os esforços manipulativos dos militantes do politicamente correcto - que, por grosso, abrangem uma boa parte da esquerdalhada e até alguns idiotas de direita - as mulheres não são iguais aos homens, para além, claro, daquela pequena diferença óbvia que, ainda assim, pode ser suprimida por ablação.

Por exemplo, para quem está familiarizado com o risco não é novidade nenhuma que as mulheres têm uma sinistralidade média de acidentes de viação inferior à dos homens em quase todos os escalões etários, como se pode inferir dos dados da maior seguradora do mercado (uma empresa pública vendida aos chineses da Fosun para aliviar a dívida do Estado Sucial) no quadro seguinte, extraído daqui:


Note-se que há variações etárias importantes e sobretudo nas idades de menopausa - outra pequena diferença - as mulheres têm uma sinistralidade muito superior à dos homens.

Já que falamos de diferenças sexuais e de serviços de seguros, remeto para um outro post já com 15 anos comentando uma directiva bruxelense sobre a eliminação das desigualdades sexuais no acesso a produtos e serviços.

1 comentário:

Oscar Maximo disse...

Se houvesse possibilidade de discriminação dos seguros consoante o sexo, porque não haveria de ser possível a discriminação consoante a raça ou educação ? Por outro lado, penso que já existirá essa diferençiação para a idade, ou pelo menos e mais lógico, os anos de carta.