Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

05/04/2018

QUEM SÓ TEM UM MARTELO VÊ TODOS OS PROBLEMAS COMO PREGOS: O alívio quantitativo aliviará? (60) Unintended consequences (XX)

Outras marteladas.

Em retrospectiva:

Têm-se multiplicado as advertências sobre os efeitos das políticas não convencionais dos bancos centrais poderem desencadear a próxima crise financeira, algo para o qual temos vindo à chamar a atenção há uns cinco anos, pelo menos desde este post de 2012 (duas semanas antes do «whatever it takes» de Draghi): «ainda não saímos de uma e já estamos a trabalhar para criar a próxima. Vai acabar mal.»

The Economist
Nesta altura, depois da Fed e o BoE há dez anos a bombarem dólares e libras, o BCE e o BoJ há 6 anos a bombarem euros e ienes, ninguém sabe bem como descalçar a bota das dezenas de biliões despejados sobre as economias que multiplicaram os activos dos bancos centrais por cinco em relação ao início da crise.

Entretanto, ficámos a saber que o BCE em três anos comprou quase 2 biliões de dívida pública. Para que não haja a dúvida de Mário Soares, que confundia os biliões com os milhões e os milhares de milhão, estamos a falar de quase dois milhões de milhões, algo como 10 vezes o PIB português.

Sem comentários: