Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/04/2018

ESTADO DE SÍTIO: Quem se mete com o PS, leva, ou de como a sucial-democracia do PS transforma a liberdade numa formalidade

«É mais do que sabido que uma das razões do sucesso do actual governo está no controlo da contestação social organizada – factor para o qual contribuem PCP e BE, diminuindo a crispação nas suas estruturas sindicais e profissionais. O que menos vezes é assinalado é que esse controlo da máquina do protesto não serve só para influenciar o ambiente do debate político e a tomada de decisão quanto a medidas concretas. Esse domínio do poder e do protesto organizado, estendido às redes sociais através de contas (algumas anónimas) com milhares de seguidores, é também uma arma de intimidação constantemente apontada a quem ousa desafiar os planos dos seus titulares. A retaliação é implacável: acusações, pressões institucionais, agressões pessoais e envolvimento da família – o que for necessário para, mais do que abafar a mensagem, fazer o mensageiro pagar o preço. E, assim, lançar também um aviso público: quem ponderar seguir pelo mesmo caminho fica a saber o que esperar.

Do outro lado da barricada, surge a pergunta que, goste-se ou não, é inevitável: valerá a pena passar por isto, tornar-se saco de pancada e arriscar consequências pessoais e profissionais? São muitos mais os que decidem que não, não vale a pena: basta ouvir o que tantos empresários, políticos, jornalistas e académicos dizem em privado e depois não repetem em público. Poder-se-ia, então, concluir que esta máquina de intimidação funciona porque a cobardia é mais numerosa do que a valentia. Por mais que tudo isso seja desanimador, o ponto que importa não é esse. O verdadeiro ponto está na pergunta de partida ter de ser colocada: algo está mal quando o poder se alimenta da intimidação e quando o exercício concreto da liberdade ascende a acto de coragem.»

Excerto de «Coragem», Alexandre Homem Cristo no Observador

1 comentário:

Bilder disse...

Roger Scruton é talvez o melhor(nos dias que correm)a desconstruir as falácias(e utopias que dão em caos)do "progressismo"

http://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2016/10/1827232-o-pensamento-de-roger-scruton-por-joao-pereira-coutinho.shtml