Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/04/2018

Do óbvio ululante de Rio poderá resultar a inutilidade da sua liderança

Dizer, como parece que Rui Rio disse no Conselho Nacional do PSD, «as eleições não se ganham, perdem-se» não será um pensamento muito original, porque já foi dito por vários outros há muito tempo. O que não impede de ser uma inferência razoavelmente sustentada pela história política das últimas décadas no Portugal dos Pequeninos.

Se lida à letra, essa inferência tem um pequeno problema: significa que qualquer apparatchik poderia ocupar o lugar de líder da oposição o que teria como consequência a inutilidade do lugar, ocupado desde há um mês precisamente pelo mesmo Rui Rio.

Se lida no contexto histórico, que é a queda dos governos por desgaste, quando deixam de poder satisfazer os fregueses a que têm de atender por esgotamento do combustível que os mantinha a flutuar, essa inferência significa que o governo socialista e a geringonça cairão quando acabar o dinheiro, para dizer a coisa de uma forma simplista.

De onde, o líder da oposição terá de governar com as medidas de austeridade que os credores impuserem e, nessas circunstâncias, talvez o líder mais adequado a essa situação não seja Rui Rio.

De onde...

Sem comentários: